NOTÍCIAS
 
 
Resumo do 6º dia

O dia de sábado começou com a última aula desta Universidade de Verão tendo como orador Paulo Rangel.

Resumo do 5º dia

A manhã de sexta-feira começou com a aula sobre “Inovação Social: reforçar a sociedade civil”, com Filipe Santos. O orador falou aos alunos da importância dos projetos de inovação social (empreendedorismo social), como meio para a transformação da sociedade civil fomentando a inovação social. "A melhor forma de criar nova riqueza é através do empreendedorismo", defendeu Filipe Santos.

VER TODAS

SUGESTÕES
 
 
Rafael Neto

No "Catch the Eyes", temos repetidamente demonstrado interesse em colocar questões extra. Infelizmente não tem sido possível, devido à grande "procura". A sugestão do grupo Bege passa por tentar dividir equitativamente as perguntas pelos vários grupos, dando oportunidade a todos de participarem.

Resposta de Carlos Coelho:
Olá Rafael, Bem sei que o Catch the Eye é o mecanismo de participação na UV mais difícil de gerir. Queremos dar a oportunidade aos participantes que têm mais interesse no tema mas não foram seleccionados pelo seu grupo para colocar perguntas nessa sessão, para poderem fazê-lo. Isso depende, porém, dos oradores deixarem tempo suficiente e tentamos distribuir equitativamente essas oportunidades para evitar uma concentração indesejável nalgum ou nalguns grupos. Bem sei que não é fácil essa gestão (sempre muito criticada) e agradeço as sugestões que podem torná-la mais fácil e justa incluindo a introdução de um sistema de inscrição através da Intranet. Carlos Coelho
 
ACHEI CURIOSO
 
 

José Costa Pinto
As soluções de empreendedorismo social muitas vezes são as mais baratas do que as outras soluções. Aula com o Doutor Filipe Santos
28-08-2015 | 12:24

João Fortes
A maioria dos indivíduos sócios, em termos psicologias, não retenha as memorias durante um longo período de tempo, ou seja memoria de peixe.
25-08-2015 | 18:28 (entregue em papel)

Hélder Quintas de Oliveira
Achei curioso o facto de se continuar a insistir, ainda nos dias de hoje, na “catequese” imperialista de que na região entre Lisboa e Coimbra se fala o português mais correto (a tal “norma-padrão”), mesmo depois de vários estudos universitários chegarem à conclusão, por exemplo, de que a pronúncia do Norte é a mais próxima do português original.
Os mais incautos vão na conversa…Mas, mais uma vez, o que encontramos é uma definição/construção feita do ponto de vista da capital. Não podemos ter vergonha do nosso sotaque. Ele é um fator de identidade cultural, de diversidade e de diferenciação regional, entre falantes da mesma língua. Devemos, pois, ter orgulho nele e saber preservá-lo, com as evoluções que sempre ocorrem na língua. Vergonha é dar muitos erros ortográficos e pontapés na gramática. E sim, os lisboetas também têm sotaque!
25-08-2015 | 12:29

José Paulo Miler
A racional alocação dos fundos assume-se como vez mais como chave da sustentabilidade financeira do país.
28-08-2015 | 16:15

Beatriz Almeida
Achei curioso o facto de as respostas ao inquérito realizado pelo senhor ministro Poiares Maduro aos alunos das universidade de verão divergirem exclusivamente por possuírem pequenas variações na forma como são colocadas.
28-08-2015 | 15:15

José Paulo Miler
Extremamente original e interessante a forma como o Ministro Miguel Poiares Maduro "jogou" connosco em relação à racionalização dos investimentos.
28-08-2015 | 15:05

Nuno Pinto Dias
Achei curioso que os alunos perante os graves dados da evolução das desigualdades batessem palmas.
28-08-2015 | 16:36

José Manuel Ribeiro
Idependentemente da cor que defendem, existe um clima de união enorme entre os participantes da universidade de verão.
26-08-2015 | 21:50

Aldo Maia
Que segundo o Ministro Poiares Maduro, o acesso aos fundos de investimento esteja a servir de força motriz, para melhorar a comunicação entre os serviços da Administração Pública.
É incompreensível que um cidadão tenha que pedir informações à Administração Pública para informar a Administração Pública.
28-08-2015 | 16:39

Fernando Melo
Apesar de ter sido um dos jantares conferência mais longo que tivemos, o Dr. Luís Montenegro cativou do início ao fim.
29-08-2015 | 00:53